Home > Notícias > Detalhes
Notícias
10/01/2018 15h56
Bombeiro se joga em poço de 13m para salvar o próprio filho na região de Curitiba
Not�cias

A AMAI parabeniza o soldado e sócio da Entidade José Geovane de Assis, pelo ato heróico que salvou a vida da criança.

Fonte: Gazeta do Povo

Um bombeiro salvou a vida do próprio filho de 4 anos após a criança ter caído em um poço de 13 metros de profundidade em Mandirituba, na Região Metropolitana de Curitiba. O acidente aconteceu no último dia 4 quando o soldado José Geovane de Assis estava em uma festa de família em uma chácara da região.

O incidente foi por volta das 20 horas, quando o menino brincava perto do poço sob a supervisão do cunhado do bombeiro. E, embora a estrutura estivesse fechada por uma tampa, o menino acabou caindo no buraco do mesmo jeito. “Meu filho estava brincando em cima, só que tem uma tampa de concreto. Meu cunhado tinha visão do poço e de repente não viu mais o menino. Ele viu a tampa aberta já imaginou que tinha caído”, relatou.

Com o alerta do cunhado, o soldado Geovane conta que saiu correndo de dentro da casa em direção ao local da queda. E, mesmo com a experiência em resgates na corporação, o soldado revelou que teve medo de não conseguir salvar a criança. “Tenho um preparo para lidar com isso, mas posso comprovar que, por ele ser meu filho, é muito diferente o sentimento. Você sente uma aflição de não conseguir fazer o resgate”.

Mesmo assim, o bombeiro diz que não pensou duas vezes antes de pular dentro do poço, mesmo sem conseguir ver nada em seu interior — e ele reconhece que a atitude poderia ter causado outra tragédia. “A atitude foi arriscada. Os Bombeiros recomendam que nunca se pule dentro de um buraco desconhecido, que não tenha visibilidade, mas foi a reação de um pai tentando salvar seu filho. Se não tivesse água lá embaixo, hoje poderiam ser duas vítimas”, comentou.

Uma vez dentro do poço, o bombeiro usou seu treinamento e sua experiência para salvar o filho e a ele próprio. “Peguei nas pernas dele e fiquei com ele mantendo a flutuação. Demorou uns 10 minutos para jogarem uma corda. Fiz uma cadeirinha com ela para puxar ele para cima. Depois consegui fazer vários nós na corda e subi por eles”, relembra o soldado.

Para ele, o final feliz da situação que viveu teve ajuda da sorte e de uma intervenção divina. “Posso dizer que foi por Deus, porque grande parte do atendimento não dependeu de mim. Ele poderia ter batido a cabeça, morrido na queda, então tudo ocorreu para que nenhum de nós se machucasse”. Segundo Geovane, seu filho não teve problema com afogamento dentro do poço, que tinha cerca de 4 metros de água, e sofreu apenas um corte na cabeça devido à queda, em que levou dois pontos.

nat-geo.png

Comentários
# Nome
# E-mail
# Comentário
# Verfficação (digite as palavras da imagem no campo de texto)
12/01/2018 - 11h37
Jose Geovane de Assis
Eu sou o Sd. Geovane e pela misericórdia de Deus eu pude salvar meu filho. Eu agradeço a AMAI pela matéria, com certeza servira de exemplo para muitos pais que tambem amam seus filhos.
Obrigado AMAI pelo apoio que esta me dando, vocês realmente lutam pelos seus associados
Exibir mais comentários
Encontre no site da AMAI
Jornal AMAI
Assine nossa newsletter
# Nome
# E-mail
# CPF
# É associado?
     
© 2012 AMAI Associação de Defesa dos Direitos dos Policiais Militares Ativos Inativos e Pensionistas. Todos os direitos reservados.