Home > Notícias > Detalhes
Notícias
08/08/2017 16h09
AMAI busca impedir que pacotaço seja aprovado na ALEP, sem a retirada de maldades que atingem a categoria
Not�cias

Não é de bondades que é feito o "pacotaço" do Governo, elaborado pela Secretaria Estadual da Fazenda e encaminhado à Assembleia Legislativa, com o objetivo de reduzir despesas. Entre as medidas apresentadas que afetam diretamente os policiais e bombeiros militares do Paraná, três grandes ameaças não foram informadas pelo Secretário Mauro Ricardo em sua entrevista para a imprensa, agora constatadas pela AMAI somente após a divulgação do projeto de lei. 

A principal delas é a destruição da Polícia Militar do Paraná com a proibição de concurso público para a contratação de novos soldados PM/BM, durante os próximos três anos, a partir da publicação da lei. Ou seja, como neste ano de 2017 não foi realizado o processo seletivo, serão, ao todo, quatro anos de congelamento da instituição PMPR. Vale lembrar que, em recente manifestação, a Procuradoria Geral da República afirmou que a ausência de policiais militares é considerada um crime aos direitos humanos.

Outro problema é trazer para dentro da segurança pública os limites da Lei de Responsabilidade Fiscal, a qual excepciona segurança e saúde. Esta medida proverá o caos na segurança pública, pois permitirá o corte de policiais militares para economizar, ao invés de cortar 20% de cargos e funções gratificadas.

O referido projeto também não fixa jornada para o militar estadual e não garante o pagamento de diárias extrajornada para atividades de instrução, prontidão, marcha, cursos, estágios e atividades, fazendo com que, nestes casos, o PM/BM trabalhe sem receber.

A AMAI está iniciando um trabalho político junto aos deputados estaduais para evitar que o pacotaço seja aprovado sem a devida retirada destas maldades, que atingem diretamente a segurança pública, impedindo o avanço da Polícia Militar do Paraná e a devida valorização e garantia de direitos dos policiais e bombeiros militares.

Além disso, a AMAI considera justo que o pagamento do abono permanência seja a partir dos 25 anos de serviço; que a jornada ordinária dos PMs seja de no máximo 40 horas semanais; e a garantia dos mesmos direitos dos militares da ativa aos militares da reserva que retornarem ao trabalho integrando o Corpo de Militares Estaduais Inativos Voluntários, inclusive com direito ao abono permanência e a progressão na carreira, entre outros benefícios.

Comentários
# Nome
# E-mail
# Comentário
# Verfficação (digite as palavras da imagem no campo de texto)
11/08/2017 - 09h31
RR
GOVERNO IDIOTA! QUANDO PODIA SE MOSTRAR "SUBINDO NAS COSTAS" DOS SERVIDORES ELE ASSIM O FEZ PARA APARECER E AGORA COM A "CORDA NO PESCOÇO" QUER QUE ATÉ OS SERVIDORES APOSENTADOS (QUEM NUNCA TEVE VALOR PARA ESTE CRÁPULA) VOLTE A TRABALHAR PARA TIRAR O PARANÁ DO BURACO QUE ELE CAVOU EMPURRANDO O POVO PRANAENSE! ALGUÉM , INSTITUIÇÕES , ASSOCIAÇÕES, CMDO PMPR TEM QUE TOMAR FRENTE NISSO E EXPOR AS VICERAS AO SR BETO RICHA. FATO VERGONHOSO QUE O CIDADÃO QUER PARA OS SERVIDORES E APOSENTADOS DO ESTADO. MUITO ENGRAÇADO QUE; SE PROPOE A PAGAR "ESMOLAS" PARA O MILITAR ENFRENTAR 8 HORAS DE SERVIÇO COMO "BICO' ESTE TURCO TÁ DE BRINCADEIRA! NÃO VAMOS JAMAIS ESQUECER DESSAS CORJAS QUE ASSALTARAM O PODER COM OS VOTOS DE ALGUNS IDIOTAS OUTROS "PUXA -SACOS"!
09/08/2017 - 15h11
Ronaldo
Sou contra contratar mais gente, o que deve ser feito é valorizar os atuais e dar segurança juridica nas açoes do policial em prol da segurança publica. a PMPR deveria passar por uma reestruturação eliminando ações que nem deveriam serem feitas e diminuir a burocracia na execução dos serviços administrativos e operacionais e investir em tecnologia da informação em todos os serviços eliminado papeis e se adotando os digitais. os demais assuntos devem ser melhor analisados e debatidos.

As associações devem mudar sua forma de atuação caso contrario neda mudará!!!!
09/08/2017 - 13h45
EDER CALSAVARA
Se o abono permanecia não for pago a parir dos 25 anos de serviço, na minha concepção não terá nenhum efeito, pois a maior evasão esta justamente quando o Policial completa 25 anos de serviço, pois não há nenhuma motivação para permanecer, principalmente pela falta de planejamento na carreira Policial Militar.
09/08/2017 - 09h17
edvaldo colonhese gama
Não adianta nada o Governo ficar criando, como por exemplo, o abono permanênçia a partir de 25 anos, se não consegue pagar nada. No final vira um passivo impagável como estamos vendo na progressão e promocão. Tudo isso é medida eleitoreira ou Governo desesperado. Pensa nisso pessoal.
08/08/2017 - 21h38
Gilberto massari
O governo do Paraná, deveria chamar voluntariamente os policiais da RR para voltarem a ativa. Oferecendo vantagens a carreira. Seria mais justo.
08/08/2017 - 19h12
Delvaloil de França Costa
O sr. Governador não tem o mínimo respeito pela PMPR., e a Corporação não se faz respeitar, dá no que dá. Vivemos sempre com o pires nas mãos, sempre pedindo, solicitando implorando pelos nossos direito, e veja no que dá, inativos sem pagamento de progressões, sem aumento salárial, e não tenham a menor dúvida esse pacotaço tambem será aprovado , são trinta e quatro Deputados que formam a base aliada do Governo, daí...
Exibir mais comentários
Encontre no site da AMAI
Jornal AMAI
Assine nossa newsletter
# Nome
# E-mail
# CPF
# É associado?
     
© 2012 AMAI Associação de Defesa dos Direitos dos Policiais Militares Ativos Inativos e Pensionistas. Todos os direitos reservados.