Home > Notícias > Detalhes
Notícias
10/11/2016 18h24
Quadrilha volta a aplicar golpes em nome da Capemi. Proteja-se!
Not�cias

Uma quadrilha, conhecida por aplicar golpes em nome da antiga Capemi (Caixa de Pecúlio dos Militares), está atuando novamente em Curitiba. Com dados pessoais e informações sigilosas da vítima, geralmente pensionistas e militares aposentados, estelionatários tentam extorquir dinheiro através da falsa promessa de resgate de valores do fundo militar.

O golpe segue um padrão: o criminoso liga para a vítima e se identifica como um coronel da Polícia Militar ou do Exército, e afirma que para receber os valores da ação, que está em Brasília, ela tem prazos bem curtos para pagar os valores de custas e honorários dos advogados. Normalmente para pensionistas de soldados o valor pedido é de R$ 30 mil, para pensionistas de coronéis, pode chegar até R$ 2 milhões. O falso coronel, que se apresenta como Álvaro Rodrigues, fornece dados como matrícula, mas em nenhum momento fala o número da ação ou a vara em que ela está.

Segundo o advogado da AMAI, Márcio Souza, algumas informações passadas pelos golpistas são verdadeiras, como por exemplo, o nome da empresa Capemi, que realmente existiu, mas hoje não mais. “Em momento nenhum eles passam dados para a pessoa realmente saber onde está a ação, ou com quem. Não mandam procuração para ser assinada e nem a cópia da decisão que garante que a vítima realmente tem direito aos valores”, alerta.

A quadrilha é especialista em extorsão, tem boa lábia e posse de informações pessoais de suas vítimas, o que pode gerar uma sensação de realidade. Mas não se engane, dinheiro não cai do céu! “Não proceda a entrega de qualquer honorário sem ter com exatidão a identificação, o número do processo, da vara e uma cópia da decisão judicial que garante o direito aos valores apresentados”, explica Márcio Souza.

Geralmente o criminoso fornece o número de uma conta poupança de pessoa física, que é dos colaboradores ou advogados, mas nunca em seu próprio nome. “Questione sobre o nome do advogado, o número da OAB desse advogado e exija o contrato que faz menção a esses valores”, afirma o advogado, que também declara que as vítimas devem fazer um boletim de ocorrência assim que se der conta que caiu em um golpe.

Os golpistas são rápidos, exigem o comprovante de depósito ou transferência em tempo real, para que assim possam sacar imediatamente o dinheiro. Após o saque, as chances de recuperação do valor depositado são mínimas, mas o advogado da AMAI orienta a vítima a entrar em contato com a Associação. “Assim que receber a ligação, não forneça dados e nem valores e entrem imediatamente em contato com os advogados da AMAI. Anote os dados de quem ligou e também faça o boletim de ocorrência”, diz.

Comentários
# Nome
# E-mail
# Comentário
# Verfficação (digite as palavras da imagem no campo de texto)
11/07/2017 - 17h22
Patricia
Aconteceu comigo hoje o senhor entítulado "Dr. Humberto Lima" pediu um telefone fixo para falar comigo e disse um monte de coisas, dentre elas que um parente teria direito a um valor de R$ 68.970,80 referente a uma ação movida pela OAB em uma ação conjunta para reaver os valores pago durante os anos de contribuição. Ele disse que estava arquivando e o prazo final é hoje e que eu ligasse para o Coronel José Carlos de Medeiros e falasse com ele que as cartas de comunicação nunca chegaram ao meu endereço.e que só ele poderia dar melhores instruções para que não arquivassem o caso. P A L H A Ç A D A !!! Os números são (31)3077-5808, do tal Humberto e (31) 3050-0550 do "coronel". Cuidado!!!
17/03/2017 - 10h57
RR
Esta CAPEMI (caixa pecúlio dos militares) ainda existem e oferecem propostas irrecusáveis e ninguém diz o que e onde foi parar os fundos da CAPEMI ou que fim levou. Só sabemos que os policiais militares estão incluídos neste fundo e não obtem respostas ou informações adquadas dos fatos.Só sabemos que é para recusar ofertas ou propostas dos mesmos. Porque??Onde está o que nos é devido pela CAPEMI??Óbvio para aqueles que contribuíram a época com esta seguradora!?
13/11/2016 - 13h22
RR
A concorrência para estelionatários já esta insuportável, são tantos que: não sabemos mais aonde vai parar.
O cidadão fica no meio desse "fogo cruzado" a "ver navios" sem explicações do que venha e pra que serve ou serviu esse tal CAPEMI e quem tem direitos ao resgate.Como se verifica descontos por uma vida inteira desde tempos do IPE nos contracheques dos militares paranaenses e simplesmente parou, encerrou e nada mais se falou.
Hoje na verdade não sobra mais lastro para enganar o cidadão e quem pensa assim é, são os que o fazem!!Preciso rever os conceitos, direitos e deveres de cada um!
12/11/2016 - 19h00
Francisco Antonio Arantes
Recebi por duas vezes telefonemas sobre este assunto...respondi que não estava interessado.
09/06/2017 - 17h48
Maria Neves
Nossa! Hoje recebi 2 ligações de 1 pessoa dizendo ser Adv da CAPEMI e que eu tenho uma imp muita alta a receber.Que me deu outro número de telefone pra falar com o Coronel Oscar.E este falou de uma ação ganha, no Ministério Púb de MG,na 3 Vara Cívil,mais que eu deveria pagar os honorários.No valor de R$ 1.960,00,visto que este processo já está com carga pra ser arquivado.Então respondi, pois bem vou pedir para meu Advagado verificar isso.Neste vou agendar aqui um horário,
Vou agendar um horário para o Adv daqui ligue para a Sra na segunda-feira.Pra saber o que nós podemos fazer pela a Sra para receber seu benefício.
Resolvir fazer uma pesquisa e me deparei,com várias denúncias.
Exibir mais comentários
Encontre no site da AMAI
Jornal AMAI
Assine nossa newsletter
# Nome
# E-mail
# CPF
# É associado?
     
© 2012 AMAI Associação de Defesa dos Direitos dos Policiais Militares Ativos Inativos e Pensionistas. Todos os direitos reservados.