Notícias

06/10/2018 10:15

Entrevista exclusiva do candidato João Arruda à AMAI sobre segurança pública

Entrevista exclusiva do candidato João Arruda à AMAI sobre segurança pública

1 – Quais são suas propostas de governo relacionadas à segurança pública?
Melhor consertar que inventar. A prioridade será equipar a polícia com colete à prova de balas, viaturas em condições de uso e com combustível para rodar. No sistema carcerário, construiremos novas penitenciárias com fundo do Ministério da Justiça, que o atual governo perdeu. Reestruturaremos as delegacias com escrivães para melhorar o atendimento. Investiremos na polícia comunitária para que as famílias confiem e conheçam o policial pelo nome, resgatando a autoestima do policial. Investiremos em inteligência e tecnologia na prevenção de crimes.


2 - Quais são suas propostas de governo relacionadas à Polícia Militar do Paraná e aos policiais e bombeiros militares?
O efetivo da Polícia Civil está defasado. Há cerca de 250 cidades paranaenses sem delegado. Na Polícia Militar, o efetivo é de pouco mais de 20 mil servidores. Por isso, vamos planejar a recomposição e complementação do quadro de pessoal. Vamos fortalecer as polícias Militar, Civil e Científica com atualização permanente dos policiais estaduais e guardas municipais via Escola de Polícia. Investiremos em melhorias das instalações e equipamentos.


3 - Desde 2007, os policiais militares recebem menos que os policiais civis. Há uma proposta para corrigir essa distorção?
São categorias diferentes. Cada qual com sua carreira. Carreiras totalmente distintas. Todas serão tratadas com respeito e reconhecimento da relevância do serviço prestado.


4 - Os policiais e bombeiros militares trabalham em condições insalubres e não tem assistência médica e hospitalar de qualidade. Quais são os seus projetos para garantir a integridade física e psicológica desses profissionais?


O policial e o bombeiro garantem segurança e salvam vidas no Paraná. Portanto, no nosso governo, vamos buscar melhorar a assistência médica e hospitalar oferecida a estes servidores. Daremos atenção especial ao atendimento psicológico, porque cerca de 30% do efetivo está afastado por problemas psicológicos. Vamos cuidar da saúde física e mental dos nossos policiais e priorizar repasse de recursos por parte da secretaria estadual de saúde (SESA) ao HPM. E também levaremos o serviço do SAS àqueles municípios que estão descobertos por este serviço. O profissional da segurança pública precisa, ao sair para trabalhar, ter a garantia de que, caso aconteça algo com ele ou com algum familiar, terá todo o atendimento hospitalar necessário.


5 – Qual é a sua opinião sobre a exigência do curso superior para ingresso na Polícia Militar e nos Bombeiros?
O curso superior é muito importante para qualquer servidor ou categoria funcional e muito bom para a sociedade. Apoio que todos os policiais de nosso estado possam alcançar níveis maiores de formação. Porém, o ingresso de servidores com ensino médio é uma realidade histórica que não representa desqualificação no atendimento à população. Defendo que os servidores cursem ensino superior para aperfeiçoamento profissional e pessoal.

6 – Haverá autonomia das instituições? Por exemplo, a Comandante-Geral terá autonomia administrativa e financeira para gerir a PMPR?
Cada polícia tem seu comando e esta autonomia administrativa e financeira na gestão da corporação deve ser mantida. A autonomia das instituições é um dos pilares da democracia, porém, é necessária a integração em nível de inteligência e informação para aperfeiçoamento do atendimento prestado à população. Vamos implementar o Observatório de Segurança Pública através de parcerias com universidades paranaenses, promover a criação de um espaço aberto de discussão e produção de conhecimento sobre segurança pública, contemplando a congregação de estudos, diagnósticos, disseminação de boas práticas e propostas de aperfeiçoamento do sistema de segurança pública.

7 – Como o candidato vê o trabalho das associações representativas da classe dos policiais e bombeiros militares?
As associações são salutares para a democracia. São instituições que conhecem a realidade do dia a dia e ajudam o governo e a categoria a resolverem os problemas. No nosso governo, as associações representativas terão as portas abertas para trazer as demandas à mesa do Governo do Estado. E juntos traçaremos os caminhos necessários para a segurança pública do nosso Estado.

Encontre no site da AMAI

Assine nossa newsletter