Notícias

06/10/2018 10:05

Entrevista exclusiva do candidato Ratinho Júnior à AMAI sobre segurança pública

Entrevista exclusiva do candidato Ratinho Júnior à AMAI sobre segurança pública

1 – Quais são suas propostas de governo relacionadas à segurança pública.

Para a segurança pública, são fundamentais o investimento público e privado, a participação da sociedade, a transparência, integração das agências de segurança pública, o comprometimento de todos os demais agentes públicos e privados e a avaliação e melhoria contínua de todos os programas de redução da criminalidade e violência, embasada na cultura da paz, cidadania, responsabilidade e solidariedade social.
Entre minhas propostas, estão a instalação da Cidade da Polícia, um espaço conjunto das cúpulas das instituições de segurança pública; o Projeto Olho Vivo, que irá utilizar a tecnologia para criar regiões mais seguras; investimento em Bases Móveis de Policiamento Ostensivo com tecnologia de ponta, para atendimento de locais com maiores incidências de violência e de criminalidade, entre outras.


2 – Quais são suas propostas de governo relacionadas à Polícia Militar do Paraná e aos policiais e bombeiros militares?

Nosso plano de Governo está fundamentado na excelência da gestão pública, e a PMPR estará contemplada com especial atenção à valorização do policial militar como profissional. Com gestão eficiente e valorização profissional, teremos policiais militares cada vez mais qualificados trabalhando para a prevenção da criminalidade e paz social, possibilitando mais policiais nas ruas, com uma logística de alta tecnologia e inovação.
Criação do programa “O Bom Policial”, que reconhecerá, não somente os heróis de ocorrências específicas, mas também os agentes que no dia-a-dia cumprem suas missões com eficiência e honestidade; desenvolver programas para jovens e adolescentes aprendizes, voltados à cidadania e civismo, com diversas áreas de atuação e capacitados pelas instituições de segurança pública; criar mecanismos de motivação e desempenho do corpo funcional de segurança pública, com a constante atualização da metodologia de treinamento e de ensino.


3 - Desde 2007, os policiais militares recebem menos que os policiais civis. Há uma proposta para corrigir essa distorção?

Eu ainda não tenho acesso a dados e informações que nos permitam entender todas as variáveis deste assunto, que é complexo e perdura há tanto tempo. Me comprometo a avaliar esta questão com responsabilidade e oferecer uma resposta após ser eleito.


4 - Os policiais e bombeiros militares trabalham em condições insalubres e não tem assistência médica e hospitalar de qualidade. Quais são os seus projetos para garantir a integridade física e psicológica desses profissionais?

Teremos uma gestão eficiente e inovadora com alta tecnologia para nossos PMs, portanto não poderemos falar em trabalho insalubre, mas sim em periculosidade. Quanto à saúde dos PMs, vamos buscar uma solução para o HPM, que tem problemas financeiros. Para solucionar esse problema do HPM, primeiro vamos realizar um diagnóstico com o futuro comando da PMPR, e buscar propostas baseadas na solução rápida e efetiva, mas duradoura. Para o interior, iremos reavaliar os contratos do SAS e atender a todos os funcionários públicos e PMs com um atendimento médico de qualidade.


5 – Qual é a sua opinião sobre a exigência do curso superior para ingresso na polícia militar e nos bombeiros?

Se exigirmos o curso superior, elevaremos a idade média de entrada na PM em quase cinco anos, isso representa retirar a oportunidade de milhares de jovens de entrarem na PM como soldado ou cadete, vindo dos colégios da PMPR e dos colégios públicos e privados.
A PMPR tem a Academia Policial do Guatupê, uma instituição de ensino superior de alta qualidade, considerada como uma das melhores academias do Brasil, formando soldados e oficiais há quase 50 anos, e isso tem colocado nas ruas profissionais de alta qualificação. Isso será discutido com muito cuidado com as associações e o alto comando da Corporação.


6 – Haverá autonomia das instituições? Por exemplo, a Comandante-Geral terá autonomia administrativa e financeira para gerir a PMPR?

Com toda a certeza. Se queremos uma gestão inovadora e focada em resultados, precisamos que o Comandante Geral tenha autonomia administrativa e financeira, e será o responsável pela gestão com base no nosso programa de governo. Não podemos mais aceitar ter recursos financeiros no orçamento e faltar coletes, combustível para viatura, ver associações comerciais e empresários doando fuzil e consertando viaturas. Essa gestão será da PMPR, mas cobraremos os resultados fundamentado nas metas e objetivos do nosso governo para a segurança pública.


7 – Como o candidato vê o trabalho das associações representativas da classe dos policiais e bombeiros militares?

Estas associações são muito importantes para podermos ter um diálogo aberto e transparente em nossa gestão. Elas serão um canal de contato para novas propostas e sugestões para a valorização do policial militar, da sua carreira, da sua saúde física e mental, enfim, da respectiva qualidade de vida no trabalho.

Encontre no site da AMAI

Assine nossa newsletter